Fechar 
Pesca Nordeste - O seu Portal de Pesca Esportiva - O dossiê Camurupim (Tarpon)
     
Início
InícioContatoFórumFotosLinksLivro de VisitasRecomendeRevista
Advertisement

O dossiê Camurupim (Tarpon)
Por Roberto Menks   
Pescamos Camurupins há mais de quinze anos no litoral do Maranhão. Tempo suficiente para cultivarmos grande fascínio e admiração pelo “reide prata”. Um oponente formidável, valente, astuto, perspicaz que quase sempre leva vantagem na batalha com o pescador. De troféu cobiçado, passou a nos representar o símbolo da bravura e intrepidez. Experiências com incontáveis embates memoráveis em pescaria com meus dois filhos, nos levaram a dedicarmos muito tempo às observações e pesquisas sobre seu comportamento. Pesquisas científicas publicadas são poucas e restritas quase que exclusivamente à costa leste americana, México e Costa Rica. Reunimos dados desses estudos junto com nossas anotações e observações durante um longo período e produzimos esse trabalho que poderá ajudar mais na compreensão da anatomia, biologia e estado comportamental do Megalops Atlanticus, ainda muito pouco estudado.

Nosso trabalho de pesquisa com pescadores, observações pessoais e relatos, não tem caráter científico, por questões óbvias, apesar de meu filho Alessandro Menks ser biólogo. Entretanto o material reunido durante todos esses anos nos deu uma base de dados das mais interessantes e poderá, certamente, ser usado para entendermos de forma mais consistente o nosso surpreendente e tão desejado Camurupim.

A adaptação do texto com nossas inserções foi realizada usando uma abordagem mais simples a fim de facilitar a concepção das informações a todos os pescadores esportivos, de um modo geral aos admiradores desse peixe espetacular. Esse trabalho não encerra nossas pesquisas de observações. Vamos continuar estudando seu comportamento ainda que tenhamos que repetir ( o que para nós é um deleite) as viagens percorrendo milhas e milhas seguindo seus cardumes pelas águas do litoral do Maranhão.


Descrição:
Ordem Elopiformes
Família: Megalopidae
Gênero Megalops
Nome científico: Megalops Atlanticus

Conhecido no norte e nordeste brasileiro como Camurupim, pema, pirapema e Camurupim nos Estados Unidos, pertence à família Megalopidae é um grande peixe com uma coloração entre o azul profundo a preta na parte dorsal e prata brilhante na parte ventral. Entretanto, esta cor pode ser alterada nos indivíduos que habitam águas litorâneas e também os mantidos em cativeiro. Suas escamas são enormes tanto quanto seus olhos (megalops). A mandíbula inferior é posicionada à frente da superior. As barbatanas são compostas de raios macios. O Camurupim tem uma barbatana caudal simétrica. A única barbatana dorsal é pequena e composta de 13 a 15 raios moles; o último desses raios é alongado com um filamento raiado. A barbatana anal é um triângulo e compõe-se de 22 a 25 raios moles; o último desses raios é também alongado e menor do que a nadadeira dorsal. Tem grandes barbatanas pélvicas ao longo do abdômen composta de 13 a 15 raios moles. Variam muito em dimensão com as fêmeas em geral maiores que os machos. É relatado que os adultos podem atingir até 2,50m e chegar a um peso de 161 kg. As fêmeas, em média são maiores que os machos. Mas estudos indicam que existe uma variação de peso e tamanho principalmente entre os espécimes da Flórida e Costa Rica. Podem viver entre 43 anos (macho) e 55 anos (fêmeas). A maturidade sexual por volta dos 10 anos entre 117 cm nos machos e 128 cm nas fêmeas. Andam em cardumes de 12 a 20 indivíduos, mas já foram vistos em grupos com cerca de 100 espécimes. É um predador eficiente e tem hábitos alimentares diuturno, porém em geral, caça mais à noite.

O maxilar inferior é grande e protuberante. Os dentes são pequenos e em grande quantidade posicionados em camadas circulares por toda a sua boca. Sua língua áspera a partir da base inferior do crânio e tem minúsculas garras que o ajuda a segurar a presa. A mandíbula é poderosa e composta de um opérculo ósseo extremamente afiado que o ajuda no ataque e o torna especialmente difícil de capturar, visto que a linha de pesca é sempre cortada pela chapa óssea. Uma modificação anatômica evoluiu para uma adaptação de tolerância física que ajuda na respiração. Um tecido alveolar na bexiga natatória é ligado a um duto que por sua vez é ligado ao esôfago para permitir a respiração do ar atmosférico, funcionado como um pulmão auxiliar. Estudos demonstraram que mesmo em ambientes de águas ricas em oxigênio, ainda assim o Camurupim respira o ar partir da superfície. Acompanham o ciclo das marés quando entram em baias e estuários acompanhando cardumes de presas. É um peixe pelágico que quando adulto prefere águas costeiras mais profundas.

Desconhece-se algum estudo para avaliar o tamanho da população e a saúde dos cardumes de Camurupins ao longo da costa do nordeste brasileiro.

Todos os estudos e pesquisas de caráter científico conhecidos são limitados à costa da Flórida, Costa Rica, e Golfo do México pelos autores abaixo creditados.

Faixa Geográfica
Sua ocorrência é notada principalmente nas águas quentes, das regiões tropicais do leste a oeste do Oceano Atlântico. Maiores ocorrências são registradas a leste dos Estados Unidos, nordeste do Brasil, oeste da Africana ( Senegal, Congo) Caribe, Golfo do México, Panamá Costa Rica e ocasionalmente na Argentina, no oeste do Atlântico, ao longo da costa de Portugal, Açores, sul da França, no leste do Atlântico.

Habitat:
Os Camurupim são encontrados em estuários, baías, lagoas e até mesmo ser conhecida suas incursões em rios de água doce. Tem a capacidade de tolerar ambientes pobres em O2. A única restrição ambiental em seu habitat é temperatura. Súbitas mudanças climáticas podem levá-los à morte em grande número. Chegam aos estuários em seu segundo estágio da metamorfose acompanhando as marés altas. O Camurupim Juvenil é membro comum da ictofauna encontrada em ambientes acima citados.

Reprodução e Embriologia:
O Camurupim macho alcança uma maturidade sexual entre 0,90cm a 117,5 m, enquanto as fêmeas amadurecem sexualmente entre 1,28 m. A idade da maturidade sexual é estimada a partir dos10 anos de idade. Entretanto, na Costa-Rica, a maturidade sexual do Camurupim é alcançada em uma idade mais precoce do que o Camurupim da Florida e aparentemente não atinge tamanho considerado adulto. O Camurupim é altamente fecundo, é estimado que as fêmeas adultas produzam cerca de 12 milhões de ovos sempre dependendo do tamanho e da idade do espécime. A ovulação é proporcional à idade. No Brasil, na costa norte e nordeste a desova é entre os meses de março a maio. Na Florida, Costa Rica e do golfo de México oriental fazem migrações para a desova extensiva em águas mais profundas nos períodos de maio a julho.

Estudos sugerem que as desovas do Camurupim sazonalmente são múltiplas. Na Costa-Rica, a desova não parece ser sazonal, e as fêmeas maduras são podem desovar em qualquer época do ano. Sugeriu-se que a fase lunar pode ser um componente importante para a atividade de desova. A eclosão ocorre entre 2 a 3 dias em estado larval.

Os ovos têm em média de 0,7 mm de diâmetro ovos eclodidos em águas profundas são de forma larval e após aproximadamente 2 a 3 dias. São os Leptocephalus (larvas planas e transparentes de cabeça pequena) distinguidos por seu corpo plano e transparente, que consistem primeiramente em uma matriz acelular, mucinose também delgado, como os dentes, que são proeminentes na região principal. Os Leptocephalus variam no tamanho de um comprimento padrão de aproximadamente 5.5 - 24.4 m O estágio do leptocephalus persiste por 2 - 3 meses Durante este período, os leptocephalus são transportados pelas correntes das águas profundas para as águas litorâneas incluindo mangues, e eventualmente nos estuários onde procuram abrigo e alimentação e terminam o desenvolvimento. As larvas Metamórficas são encontradas mais freqüentemente em estuários e manguezais de água salgada. Não se reproduzem em cativeiro.

Estágios de desenvolvimento:
A. Estágio I - leptocephalus, 9,4 milímetros SL.
B. Estágio II - leptocephalus, 17,5 milímetros SL.
C. Estágio III - leptocephalus, 23,0 milímetros SL.
D. Estágio IV - 14,0 mm
E. Estágio V - 13,0 mm (diminui de tamanho)
F. Estágio VI - 13.8mm -barbatanas dorsais e anais continuar a mover-se anteriormente; a bexiga do gás estende para frente.
G. Estágio VII - 15,9 mm. a pigmentação aumenta no corpo e desenvolve a bexiga auxiliar da respiração.
H. Estágio VIII - 16,9 mm. Aparecem as barbatanas.
I. Estágio IX - 23,0 mm TL, 19,6 mm. Barbatanas dorsais e anais tornam-se mais proeminentes.
J. Estágio X - 31,5mm a 25,5 mm. Ponto na barbatana dorsal distinta; pigmentação do corpo mais profusa
K. Juvenil XI - 41.0 mm
L. Juvenil 38,60 cm
Image

Hábitos alimentares
A dieta varia durante todo o seu desenvolvimento. Na primeira etapa do seu desenvolvimento, o Camurupim obtém nutriente diretamente a partir da água. Como juvenis, eles alimentam de zoplâncton, pequenos peixes, crustáceos e insetos. Na fase adulta, têm como principais fontes de alimento as sardinhas, arenques, tainhas, guaraviras (Maranhão) e crustáceos.

Utilidade econômica
A pesca do Camurupim é considerada altamente esportiva devido a sua extrema força, velocidade e a grande dificuldade de ser fisgado. Seus saltos extraordinários bem acima da linha dágua o tornam um oponente de muito respeito e admiração e o tornam um troféu cobiçado. Todavia, não é considerado um peixe apreciado para a alimentação com exceção da América do Sul. No Brasil (o maior consumidor), Panamá e África(em menor escala) são encontrados facilmente em mercados de peixe. A sua carne não é consumida nos Estados Unidos e na Florida, a venda comercial do Camurupim é proibida. A pesca esportiva tem grande relevância econômica, principalmente na Flórida onde gera aproximadamente 731 milhões dólares anualmente. Destes, 465 milhões dólares são oriundos diretamente das atividades da pesca esportiva e o restante captado pela enorme indústria turística da pescaria esportiva, envolvendo embarcações de alta tecnologia, guias, hotéis, aluguel de equipamentos, licença de pesca, ecoturismo etc.etc.

Desde 1989, o estado da Flórida adotou regras severas para a sua pescaria incluindo a obrigatoriedade de uma licença exclusiva no valor de $50.00, para cada pescaria. Este processo e a fiscalização rigorosa e permanente favoreceram o um aumento considerável do pesca e solte e como conseqüência a preservação e proliferação dos cardumes. Os peixes segurados desse modo foram mostrados para recuperar rapidamente e recomeçar atividades normais dentro de um período de tempo curto.

Conservação da espécie:
A prática do pesque e solte por pescadores esportivos sem as devidas precauções, pode ser uma causa da mortalidade do Camurupim do adulto. Entretanto, encontrou uma taxa elevada da sobrevivência entre 26 a 27 peixes estudados depois de fisgados e liberados na Florida. Isto indicaria uma mortalidade pequena para a pesca esportiva. Essa baixa mortalidade é baixa quando os peixes são fisgados na maxila, trazidos ao barco e liberados dentro de um período de tempo relativamente curto e não são removidos da água para serem liberados. Ainda assim, esse processo é a maior causa das mortes no pesque e solte.

A qualidade do Habitat e de água é reconhecida como especialmente importante no estágio adiantado da vida dos peixes marinhos encontrados nos estuários. Toda a degradação do ecossistema com impacto de poluentes em áreas estuarinas e de manguezal altera ciclo de desenvolvimento e sobrevivência dos Camurupins juvenis que utilizam estes ambientes com berçário. A poluição da águas afeta negativamente o Camurupim. Sua permanência em estuários, baias e lagos é considerado um indicador da saúde desses ecos sistemas.

Na Carolina do Sul o Camurupim foi declarado um peixe esportivo através de Lei estadual em 1991. Esta lei proíbe a venda e o comércio do Camurupim e limitou a sua pesca, (exclusivamente esportiva) de um peixe por pescador, por dia.

A pesca predatória no litoral norte nordeste, contribui para a diminuição dos cardumes que às vezes são quase dizimados por barcos pesqueiros que utilizam grandes redes de especialmente confeccionadas para a sua pesca (Maranhão). Relatos de pescadores dão conta de serem abatidos de 60 a 70 Camurupins adultos em apenas uma pescaria em águas maranhenses.

Predadores:
Os peixes pequenos rapinam os ovos e alevinos ainda em água de desova. Em águas litorâneas os pássaros piscívoros são predadores preliminares do Camurupim juvenil uma vez que incorporam áreas do berçário em mangues, estuários, lagos e lagoas. Os tubarões, touro e o cabeça de martelo, são os predadores principais do Camurupim adulto. A maioria de mortes atribuída à atividade pesqueira ocorre dos ferimentos ao ser embarcado e ainda de ataques de tubarões que aproveitam de sua vulnerabilidade durante a pescaria quando fisgados. Embora os pescadores conscienciosos tentem cortar a linha para liberar o Camurupim das garras dos tubarões, esses deixam, ocasionalmente, o pescador com somente a metade do peixe.

Parasitas como o micróstomo (metazoários) causam a digenetite infecção provocada pelo Lecithochirium, que ocorre no intestino do Camurupim. Os parasitas externos incluem o acuminata de nerocila e o oestrum de cymothoa que causam infecções entre as escama causando muitas vezes a morte. Embora não parasítico, as rêmoras freqüentemente juntam-se ao Camurupim adulto. O Camurupim não é listado atualmente como espécime ameaçado de extinção graças aos esforços de agências governamentais, ONGs e outros organismos de proteção e conservação que em parceria estabelecem regras para as pescarias esportivas principalmente nos Estados Unidos.

Criação em cativeiro:
(Roberto Menks)
No Maranhão em áreas litorâneas é comum pescadores escavarem nos quintais de casa pequenos tanques onde são criados os Camurupins. Dependendo da localização ligam os diminutos açudes até o mangue através de tubos de PVC que captam a água das marés altas repondo e renovando o volume do criadouro. Quando isso não é possível a captação é feita de água doce mesmo a exemplo de alguns açudes de dimensões bem maiores mantidos exclusivamente pelas precipitações pluviométricas em algumas fazendas da região. Os pequenos peixes entre 10 a 15 cm são capturados com facilidade em berçários, principalmente em lagos formados pelas águas das grandes marés que são mantidas durante meses pelas intensas chuvas do inverno maranhense. Usam pequenas redes de nylon com pequenas malhas para não serem presos pela cabeça e preservar suas condições de sobrevivência e transportados em caixas de isopor ou tonéis de plástico. As distâncias entre os locais de captura e o cativeiro não podem ser grande devido o alto estresse provocado pela agitação da água, a perda da mucilagem ( aquela gosma protetora das escamas) descameamento e o choque térmico entre outros fatores que implicam na sua mortalidade.

Durante muitos anos temos estudado e feito observações genéricas sobre esse processo antigo de criação doméstica. Constatamos que a sua capacidade de adaptação em água salobra ou doce, com alta tolerância ao ambiente de baixo O2, faz com que se desenvolvam muito rapidamente e podem atingir cerca de 3 kg por ano se bem alimentados. Após 5/6 anos começa a se desenvolver em menor escala. Observações in loco, e pesquisas, e conversas com pescadores/criadores nos foi relatado o caso de um Camurupim chegou a pesar 40 kg. A sua idade ou tempo de cativeiro não são precisos, mas, supostamente, não por mais de 8 anos. A densidade populacional não é um fator que iniba o seu crescimento visto que já foram pesados espécimes de até 25 kg em pequenos criadouros com aproximadamente 80m2, entre uma população de 20 exemplares. Em uma área de 200 m2, foram colocados 180 alevinos que após um ano de cativeiro, atingiram o peso de 1,80 a 2,50 kg sem alimentação abundante.

São alimentados regularmente com camarões, sardinhas e outros peixes que são presas de seu habitat natural, mas habituam-se a toda sorte de alimentos de origem animal: entranhas de peixes, aves, carnes, casca de camarão e ração para peixes. Ficam dóceis e percebem a presença do tratador na hora da alimentação e é possível dar-lhes um peixe diretamente à boca. No período logo após ser colocado em cativeiros, o alimento é triturado ou picado deforma a facilitar a sua ingestão. Ao atingirem 20/25 cm começam atacar o alimento mais sólido engolindo pequenas sardinhas e camarões inteiros.

Uma experiência interessante foi observamos seus ataques violentos e espetaculares em criação consorciada onde peixes como a piaba, tilápias e carás (forrageiros) quando alimentados com ração acabam, com o movimento frenético na superfície, atraindo, os Camurupins até as margens do açude onde aproveitam o seu instinto de exímio predador para caçar. Isso desenvolve uma interessante adaptação no hábito alimentar visto que os levam a consumirem a ração. No entanto, desconhecemos uma criação doméstica que faça o uso sistemático da ração. Mas sem dúvida pelas nossas observações, concluímos que é possível a dieta ser exclusivamente do alimento industrial.

Contudo, mesmo com esse interessante desempenho de adaptabilidade, não perdem seu instinto de grandes lutadores na hora da fisgada e a sua conhecida habilidade dos saltos e das fugas. A pesca de exemplares em cativeiro acaba tornando mais desafiador visto que após o primeiro peixe fisgado há um estresse generalizado e pode levar horas para um novo ataque. Em açudes de grandes dimensões a ação é mais localizada e há evidentemente menos estresse. Dependendo de alguns componentes que possam afetar seu comportamento como condições climáticas (preferem a água mais quente), alimentação abundante, estresse do ambiente, pode-se passar o dia todo sem uma única ação. Em algumas experiências com plugs de superfície sem garatéia pudemos observar que muitas vezes perseguem a isca várias vezes e por longo tempo sem que, porém, ataquem-na diretamente, isso um dia após demonstrarem grande voracidade à mesma metodologia. Com o uso de iscas naturais percebe-se que aumentam os ataques, contudo não as capturas.

Via de regra é reconhecidamente um troféu de difícil captura seja na natureza ou em cativeiro.

A maioria dos criadouros domésticos de fundo de quintal comercializa sua produção regularmente para o consumo quando atingem cerva de 3 a 5 kg, como forma de incremento à renda familiar.

Autores consultados:
( Crabtree e outros 1995, 1997)
( Crabtree e outros. 1992).
(Hill, 2002; Luna, Reyes, e Froese, 2005)
(Morey, 2000)
(Garcia e Solano 1995)
( Whitehead e Vergara 1978)
( Zerbi e outros. 2001)
( Edwards (1998)
( Menks 1993; 2008)

O
< Anterior   Próximo >

Top of Page Powered by Mambo Open Source
Copyright 2000 - 2007 Mambo Foundation. All rights reserved.
Mambo is Free Software released under the GNU/GPL License.